Escritor capixaba e adido cultural em embaixadas brasileiras de diversos países, foi militante do Partido Comunista do Brasil ao lado da mulher, a também escritora Lídia Besouchet. O casal se…

Colaborador dinâmico em periódicos na América do Sul, junto com sua mulher, a intelectual Lidia Besouchet, Newton Freitas divulgou a literatura brasileira durante seu exílio, sobretudo em Buenos Aires, no período da ditadura militar. Iniciada em 1940, a amizade entre Mário de Andrade e Newton, apesar de curta, foi intensa. Mário via em Newton “o sul-americano sem sumário, que vive necessariamente em sul-americanismo”. Para este, o autor de Macunaíma foio mais belo episódio” de sua vida, porque reunia e resumia as figuras de mestre, herói e irmão mais velho.

São Paulo, 16 de abril de 1944

Sul durante seu exílio na ditadura militar. Foi casada com Newton Freitas. [6] N.S.: Mário de Andrade se refere ao poema “Rito do irmão pequeno (vi)” Correspondência: Mário de Andrade…

Paulo Mendes Campos escreveu no jornal Diário Carioca de 1946 a 1961, inicialmente na coluna “Semana Literária” e depois na “Primeiro Plano”, na qual publicou esta carta de Newton Freitas em 10 de julho de 1955. A reprodução é precedida da nota: “Por intermédio desta seção, o sr. Newton Freitas envia ao marechal Rondon a seguinte carta, datada de Londres”.

…verde de Juparanã. É o que espera de vós, vosso índio muito devotado Newton Freitas Paulo Mendes Campos. Diário Carioca, Rio de Janeiro, 10/07/1955. Arquivo Paulo Mendes Campos / Acervo…

Poeta carioca, estreou com Palavra (1963). Sua obra, vinculada inicialmente ao movimento Práxis, vanguarda estética do início dos anos 1960, enveredou por outros caminhos, como o da poesia marginal da…