Nesta carta, Noel se dirige ao seu médico, Edgar Graça Mello, que em 1934 lhe diagnosticou uma lesão no pulmão direito e “qualquer coisa” querendo começar no esquerdo. Em janeiro de 1935, o paciente viajou para a casa de uma tia, Carmem, irmã de sua mãe, em Belo Horizonte, onde, em lugar de sossego, caiu na boemia com os artistas da Rádio Mineira. Décadas depois, o compositor João Nogueira musicou a carta, gravando-a em seu disco Vida boêmia, de 1978, e acrescentando mais uma estrofe: “Muito obrigado ao Noel/ É grande a satisfação/ Ter um parceiro no céu/ Quem fala aqui é o João”.

[Belo Horizonte, 27 de janeiro de 1935]

…deste papel O abraço que vai mandar O seu amigo Noel. João Máximo e Carlos Didier. Noel Rosa: uma biografia. Brasília: Editora Universidade de Brasília: Linha Gráfica Editora, 1990, pp….

“Samba epistolar” foi como Noel Rosa classificou esta sua composição. Traumatizado na infância por ver o pai endividado, sendo cobrado ou batendo à porta dos agiotas da época, neste samba de breque ele relembra o assunto por meio de carta a um amigo cobrando uma dívida antiga. Noel gravou-o duas vezes, ambas em 1931: com o Bando de Tangarás e com a Orquestra Copacabana.

Rio de Janeiro, 7 de setembro de 1931

Estimo que este mal traçado samba
Em estilo rude
Na intimidade
Vá te encontrar gozando saúde
Na mais completa felicidade
(Junto dos teus, confio em Deus)

Em vão te procurei,
Notícias tuas não encontrei,
Eu hoje sinto saudades
Daqueles dez mil réis que eu te emprestei
[…]