Mutuamente magoados por um desentendimento que ameaçava a amizade de muitos anos, alimentada por meio de mais de trezentas cartas em que trataram sobretudo de literatura e história, Francisco Iglésias e Otto Lara Resende buscam esclarecer o episódio que desencadeara a questão na troca de missivas que se reproduz aqui. Esta é a resposta de Otto à carta de Iglésias escrita em 18 de fevereiro. Os dois superariam por completo o problema.

Bruxelas, 21 de fevereiro de 1958

Iglésias,

Recebi hoje de manhã a sua carta. Afinal, por que me zanguei tanto com você? Porque você veio a Paris e não se lembrou sequer de me avisar onde estava, em que dia chegava etc.[1] Senti-me frustrado e perdemos uma boa oportunidade para nos encontrarmos e batermos um papo. Admito que minha […]

Amigos desde a juventude em Belo Horizonte, Otto e Iglésias trataram sobretudo de literatura ou história nas mais de trezentas cartas que trocaram ao longo da vida. Esta que se reproduz aqui dá lugar ao simplesmente humano, e evidencia um desentendimento causado mais pelo bem-querer do que por qualquer outro sentimento – é o que prova a resposta de Otto, escrita no dia 21 de fevereiro de 1958. Os dois superariam por completo o problema.

Veneza, 19 de fevereiro de 1958

Otto,

Acabo de receber sua carta e apresso-me em dar-lhe resposta. Não vou dar maiores explicações, que não é preciso nem vale a pena. Você diz que eu em minha carta de Belo Horizonte dizia apenas que vinha pelo Charles Tellier, mais nada. Pois pensava ter escrito também que era para você escrever para o […]

No arquivo de Clarice Lispector sob a guarda do Instituto Moreira Salles encontra-se este fragmento de uma das primeiras cartas trocadas entre ela, que passava férias em Maricá (RJ), e Maury Gurgel Valente, seu futuro marido. Esta carta causará forte impressão em Maury, como se pode ler na resposta dele enviada em 9 de janeiro de 1941.

[Maricá, janeiro de 1941]

[…]

Existe também… sei lá o quê. Talvez qualquer coisa que valha a pena. Pelo menos para olhar do ônibus e sorrir.

Ou senão, por que não se entregar ao mundo, mesmo sem compreendê-lo? Individualmente é absurdo procurar a solução. Ela se encontra misturada aos séculos, a todos os homens, a toda a natureza. E […]

Incentivado pela noiva, a baiana Maria Augusta, Rui Barbosa deixa a Bahia, seu Estado natal, e embarca para o Rio de Janeiro em busca de desenvolvimento de sua carreira jurídica. Luta para vencer as saudades, que descreve nesta carta, mas está certo de ser esse seu caminho na vida.

[Bordo do Habsburg], 26 de maio [de 1876], às cinco e meia da tarde

Aí vem, querida noiva, tão desconsolada e saudosa como as de anteontem e ontem, a noite de hoje. É a hora em que eu me enchia de alvoroço, preparando-me para ver-te. Agora quem me dera um olhar teu, aquela meiguice do teu sorriso, a doçura da tua submissão aos meus desejos, a afetuosa severidade, tão […]

Em 1876, dom Pedro II, aos 51 anos de idade, fez sua segunda viagem à Europa. Partiu do Brasil em março e, cumprindo o roteiro, fazia escala nos Estados Unidos, de onde escreveu à condessa de Barral, antes de encontrá-la em Paris. 

Boston, 12 de junho de 1876

Condessa,

Não imagina o prazer que suas cartas me causam. Não pensei que as sauda­des chegassem a tanto; também considero a você como uma de minhas melhores afeições. Você também se lembra todos os dias do viajante? Queria enviar-lhe meu diário; mas o tempo é muito escasso, e disse à Isabel que podia comunicá-lo a […]