Colaborador da revista Clima e fundador de Grupo Universitário de Teatro (GUT) na década de 1940, Decio de Almeida Prado começava aí sua trajetória de homem dedicado ao teatro e à crítica teatral. Estava inteiramente impregnado da arte dramática quando escreveu a Cacilda Becker esta carta em que observa o momento de modernização do teatro e destaca a importância da personalidade do ator, que, para ele, se sobrepõe à técnica, por melhor que seja.

[São Paulo, janeiro de 1949]

Você pertence a uma geração teatral mais feliz que as anteriores. Em geral, o destino de cada um de nós está condicionado a uma série de circunstâncias externas. Mas, no teatro, arte escrava de um número tão grande de fatores, inclusive econômicos, arte tão dependente do grande público, arte coletiva poderíamos dizer, isso é ainda […]

Dois mitos da música popular brasileira, Rita Lee e Elis Regina, que aqui se assina Elizabeth Maria, foram vizinhas no bairro paulistano Serra da Cantareira, onde desenvolveram fortes laços de afeto. “Ah se eu tivesse um nono daquela voz”, exclamava a roqueira paulista a respeito do vozeirão da gaúcha – conta Lee na autobiografia.

[1978]

Rita querida,

Foi bom ter te conhecido mais um pouco. Obrigada por tudo.

Conversei um tanto com Henfil a teu respeito. E a respeito da música que você fez pra Ubaldo.[1] Ele ficou surpreso, primeiro. Feliz, depois. E puto pela impossibilidade de ela estar sendo cantada.

Pede que você tente mais uma vez. […]

A perplexidade de Paulo Autran com a reação negativa da plateia à peça Traições, de Harold Pinter, que dirigiu e protagonizou, é tema desta carta que recebeu de um espectador sensível. Traições estreou no Teatro dos Quatro, no Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1983, em curta temporada.

Rio [de Janeiro], 9 de fevereiro de 1983

Meu caro Paulo,

Sei que a carta de um espectador entusiasmado diante da altíssima qualidade do espetáculo Traições não lhe poderá servir de conforto, após a pouca receptividade do público ao texto do Harold Pinter.

Entretanto, em minha longa experiência como professor, ao enfrentar turmas de quarenta, cinquenta alunos, encontrava em cada uma apenas uma […]

Na noite da votação das Diretas Já, movimento civil que exigia eleições presidenciais diretas no Brasil, a atriz Fernanda Montenegro escrevia ao amigo e dramaturgo Augusto Boal, com quem manteve constante correspondência durante o período em que ele esteve no exílio. Antes de enviá-la, Fernanda já podia dar a má notícia do resultado, como se pode ouvir na leitura em vídeo ao final da carta.[1]

Rio [de Janeiro], 25 de abril de 1984

Querido Boal,

Acabo de receber sua carta, dizendo que você chega breve.

Hoje, no Brasil, vivemos uma noite especial, pois estão sendo votadas as Diretas no Congresso, e tudo pode acontecer. Multidões estão de plantão em todo o país. A votação vai pela noite.

Boal, tudo mudou nos planos do Theatro Municipal. Tatiana saiu. O […]

Anos após a perda do irmão, Paschoal Carlos Magno escreveu esta carta ao sobrinho, Armando, que criara como filho. A retrospectiva revela a ternura e o empenho com que o tio cuidou da formação de Armando na atual Casa Paschoal Carlos Magno, que abriga o Teatro Duse, em Santa Teresa.

S.l., 1º de janeiro de 1953

Tinhas meio palmo de altura quando ficaste órfão.

Teu pai era um dos homens mais feios do mundo; mas inteligente e culto, com uma con­versa fascinante. E viajadíssimo.

Daí em diante tomei a tarefa de olhar por ti como se fosses meu filho.

E cresceste na nossa casa tão cheia de livros de teatro, de […]