Um ano antes de ter o carro onde estava alvejado por 13 tiros e ter sido morta junto com o motorista que a conduzia, a 5ª vereadora mais votada do Rio de Janeiro nas eleições de 2016, Marielle Franco, escreveu esta carta ao coletivo Bastardos da PUC-Rio. O grupo existe há dois anos e é formado por bolsistas advindos de escolas públicas, negros e pobres, moradores de favela. Nesta carta, a vereadora, “cria da favela da Maré”, socióloga formada com bolsa integral na mesma universidade, relata sua experiência e encoraja os alunos a seguir seus estudos e a resistir às adversidades encontradas pelo caminho.

Chegar à PUC-Rio pode parecer algo um tanto tenso: a natural insegurança em ocupar um espaço novo; pessoas e normas ainda desconhecidas… É impossível não sentir aquele frio na barriga! Ainda mais quando ouvimos aquelas histórias de que há professores que dão textos e filmes em inglês sem tradução, de que não se veem alunos […]

Enviada quatro dias antes da promulgação da Constituição de 1937 e amplamente divulgada à época, esta carta condena o então Ministro da Justiça, Francisco Campos, por usar sua decantada inteligência na construção jurídica do regime autoritário. A amizade entre os juristas não amenizou as duras palavras de Sobral Pinto, que se destacou como opositor do Estado Novo desde os primeiros momentos.

Rio, 6 de novembro de 1937

Campos,

Com os olhos voltados tão só para os superiores interesses do Brasil, julgo do meu dever escrever-lhe estas palavras nas quais ponho toda a veemência de que sou capaz, e toda a sinceridade de um homem que nada quer e nada aceita, para si, dos que detêm em suas mãos o poder político da […]

Diplomata brasileiro que representou o Brasil com raro fervor, Ribeiro Couto não dissociou a carrière, como gostava de se referir à sua carreira diplomática, da vida pessoal. Nesta carta a um de seus colaboradores, e com o bom humor de sempre, lê-se o testemunho de um espírito tão apaixonado quanto profissional.

Belgrado, 22 de agosto de 1954.

Meu caro Vasco,

Estou escrevendo às quatro da madrugada. Sua carta de doze do corrente me deu grande prazer. Há muito que não tinha notícias suas, mas era evidente que você deveria estar atrapalhado com os habituais incômodos da instalação.

Gostei de saber das suas próximas gravações com o grande Mignone.

Tenho trocado cartas com […]

A atuação de Darcy Ribeiro, ao lado de Anísio Teixeira, nos rumos da educação no Brasil não os deixou impunes durante a ditadura militar. Alguns meses depois do golpe, Darcy, ainda muito marcado pela sensação de fracasso de que foi tomada toda a esquerda, e ainda incerto em relação aos desdobramentos da situação política, compartilha sua apreensão com o amigo. O momento não lhe permitia pensar em um sistema que, na verdade, duraria 21 anos.

[Montevidéu], 11 de novembro de 1964

Meu querido mestre Anísio,

Só agora ouso escrever-lhe pelo temor que tinha de ainda mais comprometê-lo. Uma das coisas que mais me doeu de tudo o que passou foi ver repetir-se, pela segunda vez, sobre sua cabeça, a onda de despotismo. E, também, o pouco que conversávamos nos últimos meses em que eu vivia naquela […]

As dores do exílio são comentadas nesta carta de Augusto Boal ao também ator e diretor de teatro Gianfrancesco Guarnieri, que ficara no Brasil enfrentando, do lado de dentro, a ditadura militar que se instalou no país de 1964 a 1985.

Paris, 14 [de] fevereiro [de] 1979

Foi no meio da noite um telefonema que devia ter sido ao meio-dia, com o sol a pino; foi no meio do sono um telefonema, que devia ter sido em horas de lucidez; foi com os olhos meio fechados, quando deviam estar arregalados; foi com os ouvidos meio surdos do barulho dos loubards em motocicletas no Boulevard Beaumarchais, aqui perto, lá embaixo, que eu ouvi a tua voz lá de longe, inesperada, bem-vinda.