De Adylia Bittencourt, viúva de Jacob Pick Bittencourt, encaminhada em 15.10.1979, ao membro do Conselho de Cultura da Bahia, Sr. Gilberto Gil, questionando a forma deselegante e equivocada com que o referido conselheiro se referiu a Jacob do Bandolim, já falecido, em entrevista dada a Revista Status, em outubro de 1979.

Rio [de Janeiro], 15 de outubro de 1979

Ilustríssimo senhor
Conselheiro Gilberto Gil
Conselho de Cultura da Bahia
Senhor conselheiro,

Uma das lições de dignidade que me ensinou meu marido, Jacob Pich Bittencourt, foi não silenciar diante das inverdades. E vossa senhoria, na revista Status de outubro de 1979, nº 63, não fez outra coisa ao atacar a memória do […]

Entre a solidão no momento de deixar Paris, onde assumira em 1963 o posto diplomático de delegado do Brasil junto à UNESCO, e os planos para sua chegada ao Brasil, Vinicius de Moraes escreve a Tom Jobim sobre o estado de espírito que o deixa inquieto.

Porto do Havre [França], 7 de setembro de 1964

Tomzinho querido,

Estou aqui num quarto de hotel que dá para uma praça que dá para toda a solidão do mundo. São dez horas da noite e não se vê viv’alma. Meu navio só sai amanhã à tarde e é impossível alguém estar mais tris­te do que eu. E, como sempre nestas horas, escrevo para […]

Um dos maiores interlocutores de Augusto Boal quando o criador do Teatro do Oprimido esteve exilado, em Lisboa, durante a ditadura militar no Brasil (1964-1985), Chico Buarque certa vez lhe mandou notícias por meio da canção Meu caro amigo, gravada em fita K7 e enviada além-mar. Esta versão, como se pode ouvir na leitura em vídeo ao final da carta,[1] contém trechos excluídos na versão final. O fato só seria revelado publicamente em 2016, quando a equipe do IMS entrevistou o compositor, que se surpreendeu, ele mesmo, com os versos.

Rio [de Janeiro], 20 de julho [de 1975]

Caro Boal,

Você é um sacana. Peguei o seu Milagre no Brasil[2] no fim da tarde e é evidente que não consegui dormir. Terminei a leitura de manhã e perdi o dia. Mas ganhei muito mais. Que porrada. Não sei se este é o famigerado que eu trouxe para o Ênio [Silveira], e […]

Dorival Caymmi e Jorge Amado se conheceram já adultos, em 1939, “apresentados por uns estudantes na avenida Rio Branco, entre o Café Nice e o Café Belas Artes”, lembra o cantor e compositor. A amizade se tornaria cada vez mais forte, como mostra esta carta em que Caymmi conta ao “irmão”, que estava morando na Inglaterra, novidades palpitantes de seu cotidiano, a que não faltam observações divertidamente maliciosas.

[Salvador, 30 de setembro de 1976]

Jorge meu irmão,

São onze e trinta da manhã e terminei de compor uma linda canção para Iemanjá pois o reflexo do sol desenha seu manto em nosso mar, aqui na Pedra da Sereia. Quantas canções compus para Janaína,[1] nem eu mesmo sei, é minha mãe, dela nasci. Talvez Stela saiba, ela sabe […]

Casado com a pianista Jocy de Oliveira por mais de uma década, o maestro Eleazar de Carvalho escreve-lhe esta última carta antes do divórcio. Nela, segundo Jocy em seu livro Diálogo com cartas, ele “deixa transparecer um lado poético e emotivo por trás de sua crosta enrijecida pela vida difícil que teve”.

S.l., 2 de outubro de 1971

Jocy, my love,

É um sábado à tarde. 2-10-71. Estou sozinho. O piano está mudo e coberto com uma rede. Uma rede nova, trazida do Ceará, de onde cheguei ontem, à noite, carre­gado de troféus. Troféus que o intervalo temporal de uma curta e longa, ao mesmo tempo, existência vem trazendo. Talvez fossem mais se […]