Cronista de longa e constante carreira nos importantes periódicos do Rio de Janeiro, Rubem Braga, nesta carta, recusa a homenagem que lhe quer fazer o Jornal do Brasil por ocasião do seu aniversário de sessenta anos, em 12 de janeiro de 1973, e conta ao amigo o motivo de sua saída daquele jornal.

Vitória, 26 [de] dezembro [de] 1972

Otto,

Procurei durante cinco dias falar com você no Rio, sem conseguir. É que eu soubera, pela Maria Lúcia Rangel, que o Jornal do Brasil pretendia fazer uma página pelos meus sessenta anos, inclusive encomendando artigos a Joel [Silveira], Fernando [Sabino], Carlos [Drummond de Andrade] etc. Em Cachoeiro, eu soube que estavam lá no momento […]

Mutuamente magoados por um desentendimento que ameaçava a amizade de muitos anos, alimentada por meio de mais de trezentas cartas em que trataram sobretudo de literatura e história, Francisco Iglésias e Otto Lara Resende buscam esclarecer o episódio que desencadeara a questão na troca de missivas que se reproduz aqui. Esta é a resposta de Otto à carta de Iglésias escrita em 18 de fevereiro. Os dois superariam por completo o problema.

Bruxelas, 21 de fevereiro de 1958

Iglésias,

Recebi hoje de manhã a sua carta. Afinal, por que me zanguei tanto com você? Porque você veio a Paris e não se lembrou sequer de me avisar onde estava, em que dia chegava etc.[1] Senti-me frustrado e perdemos uma boa oportunidade para nos encontrarmos e batermos um papo. Admito que minha […]

Amigos desde a juventude em Belo Horizonte, Otto e Iglésias trataram sobretudo de literatura ou história nas mais de trezentas cartas que trocaram ao longo da vida. Esta que se reproduz aqui dá lugar ao simplesmente humano, e evidencia um desentendimento causado mais pelo bem-querer do que por qualquer outro sentimento – é o que prova a resposta de Otto, escrita no dia 21 de fevereiro de 1958. Os dois superariam por completo o problema.

Veneza, 19 de fevereiro de 1958

Otto,

Acabo de receber sua carta e apresso-me em dar-lhe resposta. Não vou dar maiores explicações, que não é preciso nem vale a pena. Você diz que eu em minha carta de Belo Horizonte dizia apenas que vinha pelo Charles Tellier, mais nada. Pois pensava ter escrito também que era para você escrever para o […]