Em 25 de setembro completam-se 50 anos da morte de Lotta de Macedo Soares, a idealizadora do Aterro do Flamengo. A obra a que Lotta se dedicou com paixão, magnificamente fotografado por Marcel Gautherot, teve projeto urbanístico e arquitetônico de Affonso Reidy e continua símbolo do Rio de Janeiro, tão ou mais icônico do que quando Rachel de Queiroz escreveu esta carta/ crônica.

[Rio de Janeiro], 16 de fevereiro de 1972

Querida Lotta, se no assento etéreo on­de você deve estar, memórias desta vida se consentem, se você vê as coi­sas cá debaixo, há de sentir uma grande alegria contemplando o seu Parque do Flamengo. Sim, o seu Par­que, Lota. Que você inventou, criou, ti­rou daquele aterro bruto, acompanhando-o pedrinha por pedrinha, planta por planta, flor por flor. Todas as suas canseiras, as lutas, a […]

A convicção de Lotta de Macedo Soares a respeito de um parque público que possibilitasse lazer ao povo levou-a a idealizar o Parque do Flamengo, cujo projeto arquitetônico e urbanístico é de autoria de Affonso Eduardo Reidy. Tomada de entusiasmo especialíssimo, e não satisfeita com a simples conclusão da obra, queria garantir-lhe futuro: passou a lutar por uma Fundação capaz de manter o Parque. Esta carta deixa claro o empenho com que Lotta batalhava pela preservação, além de mostrar sua visão de futuro. Escreveu na véspera do dia que ficou estabelecido como a data oficial de inauguração.

Rio de Janeiro, Estado da Guanabara, 16 de outubro de 1965

Rachel muito querida,

Os argumentos para a “Fundação do Parque do Flamengo” são poucos, mas creio que decisivos e imprescindíveis.

A minha intenção quando comecei a obra era de obter do Rodrigo M. Franco[1] o tombamento, o que já foi feito por unanimidade apesar do Conselho ter vários inimigos do Carlos,[2] […]

É compreensível que os brasileiros associem a arquitetura de Oscar Niemeyer essencialmente a Brasília. Entre as questões mais importantes de seus projetos está a do espaço, tema desta carta ao engenheiro calculista José Carlos Sussekind.

S.l., 13 de julho de 2001

Sussekind,

Há muitos anos, creio eu, não ficava cinco dias sem trabalhar. Desta vez resolvi atender meu médico e manter o braço na tipoia, como ele pediu.

Foi uma boa experiência. Continuei a frequentar o escritório das nove da manhã às nove da noite. Mas sem desenhar, sozinho, na sala dos fundos, que é meu […]

Os frequentadores ou visitantes do Sambódromo, no Rio de Janeiro, certamente desconhecem as ideias originais de Oscar Niemeyer, o arquiteto que o concebeu. Lendo esta carta ao engenheiro calculista da obra, fica-se sabendo a distância que há entre o que foi pensado e o que seria realizado em tão curto tempo.

S.l., 14 de outubro de 2001

Sussekind,

Aconteceu tanta coisa que a nossa correspondência deixou de nos entreter há quase um mês, e, pensando retomá-la, fico sem saber como começar.

Gostei do entusiasmo com que você fala do Sambódromo, e nele o acompanho, como colaborador que fui de vocês naquela obra. Infelizmente, meu amigo, dela, como arquiteto, guardo uma mágoa difícil […]

Quem vê a euforia e o colorido no Sambódromo, no Rio de Janeiro, nas noites de desfile das escolas de samba, talvez não imagine as tensões inerentes à sua concepção, como conta, nesta carta, José Carlos Sussekind, engenheiro calculista da obra, a seu amigo e arquiteto Oscar Niemeyer.

Petrópolis, 25 de março de 2001

Oscar,

Estava eu relembrando um almoço agradável desta semana com Brizola e outros amigos e eis que, pouco depois, entra no meu fax sua nova carta, a ele se referindo como exemplo de coragem e reserva de resistência nacional.

Parece que foi ontem – e, na verdade, quase vinte anos já se passaram – quando, […]