Os temas de amor e morte, dominantes na poesia de Schmidt, têm origem no seu permanente estado amoroso e sua profunda angústia em relação à morte. Para aguçar os conflitos que já lhe eram naturais, surgiu Yedda Ovalle Schmidt, com quem o poeta se casaria para viver uma relação intensa, a que não faltou sofrimento, como mostra esta carta.

[Rio de Janeiro], s.d.

Amanhã não verei você. Os céus estão fechados pa­ra mim. Seu amor me inquieta de uma maneira terrí­vel e continuada. Hoje, pensei que de um momento pa­ra outro a posso perder e senti meu coração pesado e triste. Fora de você só há a morte. A cada momento que passa, eu sinto como é infinita […]

Nem sempre um amante é capaz de ter a coragem de se expor tanto como Schmidt nesta carta a Yedda, sua mulher. A relação dos dois, tumultuada desde o namoro, serviu de inspiração para o poeta que privilegiou os temas de amor e morte na sua obra poética.

S.l., s.d.

Não sei, mas há um sentimento novo em mim a teu respeito. De onde vem e o que é, não sei bem. Sei ape­nas que é triste e traz como que um vago tom de desa­lento e resignação. Sinto que há alguma coisa se mo­vendo em nós de inexorável. Alguma coisa nos sepa­rando. Eu estaria […]

Drummond teve uma única filha, Maria Julieta Drummond de Andrade, que, em 1949, se casou com o advogado portenho Manuel Graña Etcheverry, chamado de Manolo, e foi morar em Buenos Aires, onde deu à luz três filhos: Carlos Manuel, Luís Maurício e Pedro Augusto Graña Drummond.

Rio de Janeiro, 9 [de] janeiro [de] 1950

Juju flor,

Sua carta do dia 4 foi a alegria de ontem, e muito nos enterneceu, sobretudo pelo relato circunstanciado da viagem a Deán Funes,[1] com aqueles esquecimentos que tanto atrapalharam você e que serviram para confirmar aquilo que nós já sabíamos, a saber, que Manolo é uma grande figura. Por aqui, a […]

Entre Armando Freitas Filho e Ana Cristina Cesar estabeleceu-se uma relação “intensa e produtiva” e de “confiança pessoal e literária”, segundo o poeta. Mesmo morando na mesma cidade, tinham o hábito de trocar cartas, como esta.

Rio [de Janeiro], 4 de janeiro de 1982

Ana Colorida,

Você é um caleidoscópio ou o quê? Quando entra, nas Residências Leonor, (tinha que ser no plural sua casa), múltipla, globe-trotter,[1] a vizinhança não se espanta diante de suas sandálias de sete léguas, de suas alpargatas sete vidas, de seus sapatos sete fôlegos?

Ana ubíqua, dúbia loura, acabará se casando com […]

A paixão de Graça Aranha por Nazaré Prado, sua companheira nos últimos anos de vida, inspirou as cerca de três mil cartas que ele lhe endereçou, dentre as quais a que se reproduz aqui. Parte dessa correspondência foi reunida por ela em Cartas de amor (1935), que permanece inédito. Graça Aranha foi casado com Maria Genoveva, a Iaiá, filha do conselheiro José Bento de Araújo, presidente da província do Rio de Janeiro entre 1888 e 1889.

Haia, 2 de janeiro de 1914
Sexta-feira, 6 horas

Minha doce Petite Chose adorée, alma de minha alma, meus formosos olhos de saudade! meu Tudo, oh!, como eu te tomaria nos meus braços apaixonados e te beijaria e na pos­se suprema realizaríamos o profundo e eterno desejo dos nos­sos seres imortalmente amantes!

Esta separação está sendo tão dura, hélas!, e não há con­solo possível […]