Poeta e tradutor argentino, foi também deputado federal pela província de Córdoba durante o governo peronista e, como tal, se orgulhava de ter sido o relator do projeto…

Esta é a carta-resposta de Drummond ao pretendente de sua única filha, Maria Julieta. Ela se casaria com Manuel Etcheverry, chamado de Manolo, nesse mesmo ano de 1949, e com ele teria três filhos: Carlos Manuel, Luís Maurício e Pedro Augusto Graña Drummond.

Rio de Janeiro, 3 de outubro de 1949

A Manuel Graña Etcheverry, Meu amigo – não estranhe que o chame assim, dado o vínculo afetivo que se estabeleceu entre nós, sem sequer nos conhecermos –, aqui tenho sua…

Pedro Nava era amigo de Manuel Bandeira e médico que cuidou de Fréddy Blank, a mulher que o poeta chamou de “toda a afeição de uma vida”, embora não tenha com ela dividido o mesmo teto. Madame Blank, como era chamada, deixou duas filhas de seu casamento com Carlos Blank: Joanita e Guita. À primeira e a seu marido, Pietr, Nava escreve esta carta contando os detalhes da morte de Manuel Bandeira, ocorrida em 13 de outubro de 1968.

Rio [de Janeiro], 19 de outubro de 1968

…mais chegados. Muita gente de imprensa, da Academia – além de vários outros amigos e da família de Manuel [Bandeira]. Os jornais desde o dia da morte estão cheios de…

Os 80 anos de nascimento de Manuel Bandeira foram largamente comemorados em todo o país. Decio de Almeida Prado, que, 1966, era diretor do “Suplemento Literário” de O Estado de S. Paulo, cargo que exerceu de 1956 a 1967, quis homenagear o Poeta de Pasárgada com um poema que encomendou a outro poeta pernambucano: João Cabral de Melo Neto. Mas o autor de “Morte e vida severina” explica, nesta carta, o porquê de não poder aceitar a tarefa.

Berna, 25 de março de 1966

Meu caro Decio, Muito honrado com seu telegrama encomendando um poema para o número do suplemento sobre o Manuel.[1] O poeta merece todos os poemas (bons) e o amigo também…