Reconhecido pela crítica como talento superior, o escritor mineiro retratou em seus livros a monotonia da vida rural de seu Estado. Iniciou a carreira literária incentivado pelo amigo Monteiro Lobato. É autor de Vida ociosa (1920), considerada por Lobato “obra-prima de psicologia e realismo das mais puras”.