Gonçalves Dias permaneceu na Europa, em missão oficial do governo brasileiro para estudos e pesquisa, de 1854 a 1858. Era dom Pedro II quem patrocinava os projetos, especialmente aqueles de documentos relativos à história do Brasil, no país e no estrangeiro, além de reunir, no Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (IHGB) um grupo de intelectuais dinâmicos. Em 1856, o poeta viajou para a Alemanha e, indo a Leipzig, em 1857, entra em contato com o livreiro-editor Brockhaus, que editará, no mesmo ano, três livros do poeta: Cantos, Os Timbiras e o Dicionário da língua tupi, idioma que o imperador chegou a estudar.

Dresden, 4 de março de 1857

…e dedicado súdito Antônio Gonçalves Dias Anais da Biblioteca Nacional: correspondência ativa de Gonçalves Dias. Rio de Janeiro: Divisão de Publicações e Divulgação de Biblioteca Nacional, 1971, pp. 211-213. [1]…

Gonçalves Dias conheceu Ana Amélia em 1846, no Maranhão, e, fascinado por sua beleza, por ela se apaixonou quando a reencontrou cinco anos depois. Por meio desta carta, fez o pedido de casamento à mãe da moça, Lourença Ferreira do Vale, que o recusaria por causa da origem bastarda e mestiça do pretendente à sua filha. Ao receber a negativa, breve e dura, em quatro linhas, o poeta escreveu o antológico poema Se se morre de amor”. Gonçalves Dias sofreria dessa desilusão até o fim da vida.

[São Luís, 1851]

…lembrança de que me esforcei por alcançar a mão de sua filha, se não fui digno de a merecer. Anais da Biblioteca Nacional: correspondência ativa de Gonçalves Dias. Rio de…

Em missão oficial de estudos e pesquisa para a qual foi comissionado pela Secretaria do Império, Gonçalves Dias permaneceu na Europa de julho de 1854 a 1858. Sua única filha, Joanna, nasceu em Paris, em 20 de novembro de 1854, e morreu, de pneumonia, em 24 de agosto de 1856, no Rio, para onde voltara com a mãe em busca de melhor clima para sua saúde. Da Europa, quando soube da morte da filha, o poeta escreve à mulher.

Paris, 15 de outubro de 1856

…e adeus. Aceite muitas saudades do seu do coração Gonçalves Dias Anais da Biblioteca Nacional: correspondência ativa de Gonçalves Dias. Rio de Janeiro: Divisão de Publicações e Divulgação de Biblioteca…

“Soberba página” – classificou Manuel Bandeira esta carta de Gonçalves Dias sobre a grandiosidade da natureza amazônica. Foi escrita quando o poeta de “I-Juca Pirama” chegou a Manaus durante a visita que fez à cidade como etnógrafo da Comissão Científica de Exploração, em que atuou entre 1859 e 1862. Para Bandeira, esta “é a melhor prosa que nos deixou o poeta”, e comparou-a às mais altas páginas de José de Alencar, com “antessabor das de Euclides da Cunha”.

Manaus, 20 de dezembro de 1861

…aqui ponto para tomar fôlego, e continuar mais descansado. Teu do coração Gonçalves Dias Gonçalves Dias. Poesia completa e prosa escolhida. Rio de Janeiro: Editora José Aguilar, 1959, pp. 831-836….

O cotidiano de Luiz Carlos Prestes na prisão pode ser conhecido nesta e em outras cartas graças à campanha para libertação dos presos políticos, liderada por sua mãe, Leocadia Prestes, que teve ganhos importantes como a permissão para se corresponder com o filho. Lendo esta carta, é possível, hoje, saber das aflições e saudades do líder comunista, que seria solto apenas em 1945 com a anistia.

Rio [de Janeiro], 28 de dezembro de 1937

dias. Asseguro-te, querida mãe, que continuo bem de saúde e que a minha situação, em geral, em nada se modificou nestes últimos tempos. Continuo fazendo uso do chimarrão e tenho…