No 31 de outubro, dia em que se comemora o aniversário de Drummond, o Dia D, vale lembrar que há meio século, o poeta, mais que modesto e discreto, não se sentiu à vontade para receber um toca-discos, ou uma eletrola, como se dizia na época, que um grupo de amigos quis lhe dar – é o que revela este bilhete de Cyro dos Anjos.

Rio de Janeiro, outubro de 1956

É sabido que certo cidadão de Itabira, sempre vigilante e gentil para com as comemorações de amigos, se sente mais à vontade quando o deixamos a sós, nas suas próprias comemorações.

Não obstante, um grupo desabusado de velhos cupinchas resolveu rebelar-se desta vez (tranquiliza-te, Carlos, os conspiradores são poucos, não se fez subscrição, não se […]

Em 25 de setembro completam-se 50 anos da morte de Lotta de Macedo Soares, a idealizadora do Aterro do Flamengo. A obra a que Lotta se dedicou com paixão, magnificamente fotografado por Marcel Gautherot, teve projeto urbanístico e arquitetônico de Affonso Reidy e continua símbolo do Rio de Janeiro, tão ou mais icônico do que quando Rachel de Queiroz escreveu esta carta/ crônica.

[Rio de Janeiro], 16 de fevereiro de 1972

Querida Lotta, se no assento etéreo on­de você deve estar, memórias desta vida se consentem, se você vê as coi­sas cá debaixo, há de sentir uma grande alegria contemplando o seu Parque do Flamengo. Sim, o seu Par­que, Lota. Que você inventou, criou, ti­rou daquele aterro bruto, acompanhando-o pedrinha por pedrinha, planta por planta, flor por flor. Todas as suas canseiras, as lutas, a […]

Publicada originalmente no Jornal do Brasil de 13 de junho de 1979, com esta carta Nelson Rodrigues reivindicava ao general Figueiredo, presidente do Brasil de 1979 a 1985, a libertação de Nelson Rodrigues Filho, preso desde março de 1972, sob acusação de pertencer ao movimento de guerrilha urbana MR-8.

Nem eu nem você fomos jamais presidentes da República. É pena, porque seria uma experiência tremenda. Às vezes o presidente é apenas uma pose. Isso e nada mais. Entretanto Bismarck, primeiríssimo-ministro, estadista de gênio, solene como se fosse estátua de si mesmo, parecia abaixo do bem e do mal. O estadista não apertava a mão […]

A perplexidade de Paulo Autran com a reação negativa da plateia à peça Traições, de Harold Pinter, que dirigiu e protagonizou, é tema desta carta que recebeu de um espectador sensível. Traições estreou no Teatro dos Quatro, no Rio de Janeiro, em 10 de janeiro de 1983, em curta temporada.

Rio [de Janeiro], 9 de fevereiro de 1983

Meu caro Paulo,

Sei que a carta de um espectador entusiasmado diante da altíssima qualidade do espetáculo Traições não lhe poderá servir de conforto, após a pouca receptividade do público ao texto do Harold Pinter.

Entretanto, em minha longa experiência como professor, ao enfrentar turmas de quarenta, cinquenta alunos, encontrava em cada uma apenas uma […]

A convicção de Lotta de Macedo Soares a respeito de um parque público que possibilitasse lazer ao povo levou-a a idealizar o Parque do Flamengo, cujo projeto arquitetônico e urbanístico é de autoria de Affonso Eduardo Reidy. Tomada de entusiasmo especialíssimo, e não satisfeita com a simples conclusão da obra, queria garantir-lhe futuro: passou a lutar por uma Fundação capaz de manter o Parque. Esta carta deixa claro o empenho com que Lotta batalhava pela preservação, além de mostrar sua visão de futuro. Escreveu na véspera do dia que ficou estabelecido como a data oficial de inauguração.

Rio de Janeiro, Estado da Guanabara, 16 de outubro de 1965

Rachel muito querida,

Os argumentos para a “Fundação do Parque do Flamengo” são poucos, mas creio que decisivos e imprescindíveis.

A minha intenção quando comecei a obra era de obter do Rodrigo M. Franco[1] o tombamento, o que já foi feito por unanimidade apesar do Conselho ter vários inimigos do Carlos,[2] […]