“Ana Cristina começou a fazer poemas antes de saber ler e escrever”, afirmou a escritora Lúcia Benedetti sobre o talento precoce da mais destacada poeta da chamada “poesia marginal”, e homenageada da Flip 2016. Em 1962, Ana Cristina Cesar já sabia e gostava de escrever. É o que comprova esta carta, inédita até hoje, escrita à sua tia Nídia, apelido de Tirza, irmã de seu pai, que morou em Chicago durante muitos anos e com quem a poeta se correspondia.

[Mauá, Rio de Janeiro], 7 de julho de 1962

Querida tia Nídia:

Hoje estou realmente com vontade de escrever. Parece que não recebeu a minha carta e a do Flavio.

Estou em Mauá. A solidão, e o repouso, o silêncio daqui, é tudo uma beleza. Meus pais fazem hoje 12-1 anos de casados.[1] Coitados, é com pena que eu digo que eles […]